Crítica: Gotham – 2ª Temporada (Parte I)


Depois de uma boa primeira temporada, Gotham chegou para a segunda com um bom número de fãs. O carisma dos atores ao dar vida a personagens muito conhecidos foi essencial. Tem muita gente que diz que o sucesso de Gotham vem do grande número de fãs que o Batman tem, mas, pelo que eu vejo, isso não é bem verdade, já que muita gente apenas conhecia o Batman pelo ícone pop que ele é e está tendo a chance de conhecer melhor o universo dele através do seriado.

O universo do homem morcego é cercado de vilões muito marcantes. Por mais que as suas representações nas grandes telas nem sempre são boas, ainda assim, faz com que eles sejam lembrados. Eles são tão grandes que já tiveram até seus filmes solos como, por exemplo, o “maravilhoso” filme da Mulher Gato (Halle Berry), que por pior que tenha sido, já teve seu próprio filme. E o Dark Knight, que é um ótimo filme sobre o Coringa (Heath Ledger) com participação especial o Batman. Isso sem citar os filmes clássicos que já tivemos Jim Carrey (Charada), Arnold Schwarzenegger (Mr. Freeze), Danny DeVito (Pinguim) e Michelle Pfeiffer (Mulher Gato). Então nada mais justo que agora tenha um seriado que conte a origem desses personagens e com uma nova roupagem um pouco mais realista e séria.

Oswald Cobblepot (Pinguim)

Na primeira parte da segunda temporada, pudemos acompanhar a ascensão do Pinguim ao topo do mundo mafioso, que foi conquistado depois de muita manipulação na primeira temporada, e depois a sua queda. E vamos combinar, como o Pinguim sofreu nessa temporada! Ele começou a mostrar o seu lado mais perturbado no desespero de conseguir sua mãe de volta e meio que faz você sofrer com ele. E as palavras que o Nygma disse pra ele podem ter dado um novo sentido à vida dele, o transformando em alguém sem limites.

Um homem com nada que ele ama é um homem impossível de chantagear. Que não pode ser traído. Que não obedece a ninguém, só a si mesmo. E esse é o homem que vejo diante de mim. Um homem livre
Edward Nygma

Em outra parte, vemos Edward Nygma, que deve ser facilmente um dos personagens mais queridos pelo público, sofrendo sua transformação de o cara legal que ninguém dá atenção para o Charada que, pelo menos, na minha opinião, é um dos vilões mais interessantes do Batman. A parte das duas personalidades tentando se tornar a dominante foi muito bem explorada e sua cena dramática ao matar a Miss Kringle foi de cortar o coração, o que depois acabou resultando no encontro final entre ele e o Pinguim, onde ele mostrou que agora é o seu lado obscuro que está no controle. Eu não esperava que ia ser ele a montar aquele esquadrão com policiais e bandidos. Quero muito ver as coisas que podem sair dessa parceria dele com o Pinguim e também espero que ele continue agindo como Charada embaixo do nariz da polícia. Isso cria aquela tensão de “quando ele será descoberto?”.

Selina Kyle e Bruce Wayne

Já tivemos a mulher gato sendo interpretada por três grandes nomes de Hollywood e agora decidiram escolher uma nova Selina, que lembra visualmente a Michelle Pfeiffer. Camren Bicondova está arrasando no seu papel de Selina, apesar da personagem ser uma criança ainda, ela é muito mais imponente que muito vilão que aparece em outros seriados. Sua química com Bruce Wayne (David Mazouz) ficou ainda mais interessante na primeira parte da segunda temporada, onde começou a surgir mais sentimentos por parte dela também. Ao contrário do que muitos dizem, o menino Bruce está provando que não é apenas um bebe chorão. Ele está evoluindo muito bem para o que daqui alguns anos vai acabar se tornando o Batman (aposto que você leu com aquela voz de “I am Batman”).

Foi interessante nesse arco que o problema do vilão era algo pessoal, uma briga entre duas famílias onde uma delas foi esquecida pela história tendo que assumir um outro nome e viver praticamente como uma ordem secreta e a outra se tornou uma das mais poderosas de Gotham. Olhando assim parece enredo de novela, mas quando é bem utilizada e com bons atores se torna algo interessante. Sem contar que nos apresentou a personagem mais linda da série, Tabitha Galavan (Jessica Lucas), que, por sinal, estou muito interessado no que vai acontecer com ela daqui para frente, já que ela apareceu no pôster da segunda parte como uma das principais.

E no meio disso tudo, ainda temos Gordon e Bullock que sofreram a perda da comandante de DCPD e agora tem um rigoroso novo chefe. À primeira vista, Gordon achava que ele era a pessoa certa para comandar a polícia, só que agora o próprio Gordon percebeu que para fazer justiça em Gotham, não dá para agir como um escoteiro. A cidade o mudou enquanto ele estava tentando mudar a cidade.

Tecnologia do Blogger.