Doctor Who - Vincent and The Doctor



Vincent and The Doctor é o 10º episódio da 5ª temporada do New Who. Nessa temporada estamos na 11ª regeneração do Doctor (Matt Smith) e temos Amy Pond (Karen Gillian) como companion. Ainda assim, mesmo para aqueles que nunca assistiram á série, é um ótimo episódio para conhecer Doctor Who, já que esse é um dos mais emocionantes e queridos dos fãs e não precisa, necessariamente, de nenhuma apresentação ou explicação antes de assistir.

A história mostra Doctor e Amy voltando ao ano de 1890, onde vão atrás de ninguém mais, ninguém menos que Vincent Van Gogh, após descobrirem um monstro alienígena em um quadro do pintor em um museu ainda em 2010 (ano em que o episódio foi exibido). Vincent and the Doctor não é somente excelente por sua história, como também visualmente. Eles aproveitaram a paixão do Van Gogh pelas cores e aplicaram isso na fotografia. O que dizer da cena onde a Amy está sentada em meio aos girassóis? É algo até difícil de explicar, mas é tão lindo que chega a dar vontade de pausar e ficar apenas olhando aquilo.

É interessante como pegaram Van Gogh, um nome que, apesar de muito conhecido na cultura mundial, pouco se ensina sobre sua vida nas nossas escolas. Tentaram explicar quem ele foi, o que pensava e pelo que passava, tudo isso com o jeito Doctor Who de explicar as coisas. Considerando que quem está lendo esse texto já deve ter assistido ao episódio, vou soltar alguns leves spoilers, mas  se você ainda não assistiu, não tem tanto problema, pois o episódio vai fazer você se emocionar de qualquer jeito, já que nada supera ver a bela atuação de Tony Curran como Van Gogh.

Se formos pensar, a química entre Vincent, Doctor e Amy é tão forte que o monstro do episódio fica em segundo plano. Mas, a partir do momento que encaramos o monstro como os medos, os sentimentos do Vincent sendo agressivo e solitário e o fato de tudo que ele não queria era ficar sozinho, esse monstro passa a ser mais importante. E a forma como as pessoas da cidade o veem como um perdedor, péssimo pintor, louco e, até mesmo, um monstro, chega a ser poético ele ser o único que consegue ver o monstro. Claro, essa é uma interpretação livre que eu tive assistindo ao episódio.

Esse episódio é feito de cenas marcantes, como a que os três estão deitados na grama e Vincent começa a explicar para o Doctor e Amy a maneira como ele vê o mundo e o céu vai se transformando em belas pinceladas. É engraçado também quando Vincent começa a falar para eles sobre as cores, todo empolgado, como um whovian tentando mostrar para alguém como Doctor Who é incrível (sei que muita gente se identificou, rs).

E, para finalizar, tem aquela maravilhosa cena do museu, que serve para quem não chorou até aquele momento desabar em lágrimas. Quando o curador fala sobre o Vincent, dá para sentir a importância dele para a arte simplesmente pelo seu jeito de falar e, como se isso não fosse suficiente, ainda tem aquela música perfeita de fundo: Chances, do Athlete.

Esse episódio tem muitas coisas que poderiam ser faladas aqui, mas gostaria de destacar uma, que é a lição de que sempre podemos fazer diferença na vida de alguém quando o Doctor fala:

"Da forma que vejo, toda vida é uma pilha de coisas boas e ruins. As boas nem sempre amenizam as coisas ruins, assim como as ruins nem sempre estragam as boas ou as tornam menos importantes. Nós, definitivamente, acrescentamos algo de bom na vida dele."

Gostaria de saber, daqueles que já assistiram, como vocês veem Vincent and the Doctor e também outros episódios que foram marcantes pra vocês. Quem ainda não assistiu, ficou curioso? Deixe seus comentários!
Tecnologia do Blogger.