Crítica: Águas Rasas


Águas Rasas (The Shallows, no original) foi um filme que conseguiu me deixar tensa desde a primeira vez em que assisti ao trailer. Lembro que vi Blake Lively, na pele de sua personagem Nancy, gritando "SHARK!" de uma pedra bem no meio do mar e fiquei me perguntando como ela iria conseguir sair de lá.

Logo no começo do filme, você tem a impressão de que o final já fora contado e, erroneamente, você pensa que já descobriu como a história iria desenrolar, e logo depois voltam no tempo e nos apresentam a protagonista do filme e é mostrado como ela havia chegado no local da trama.

Nancy havia feito medicina, tinha uma irmã mais nova e um pai ao qual, aparentemente, ela não passava muito tempo desde a morte de sua mãe, que teve câncer. Ela foi para essa praia misteriosa meio que em busca de uma conexão com sua mãe, que havia ido lá quando ainda estava grávida dela. A praia era um lugar paradisíaco de águas cristalinas e vistas lindíssimas, nem parecia que seria cenário de tanta tensão.

Filmes de tubarão é aquele ditado: o personagem não pode entrar na água e a cena ser mostrada do fundo do mar que você já acha que o bicho está chegando. Eu fiquei nessa expectativa até ele aparecer, e quando eu esqueci que estava esperando por ele, ele apareceu trazendo o pânico com ele.

O filme foi o mais próximo da realidade possível e a partir do momento em que o tubarão entra em cena, você entra em desespero junto com os personagens que estão sendo atacados. O que mais chamou minha atenção no filme foi o modo como Nancy lidou com toda aquela situação de medo e tensão.

No início eu imaginei que eles usariam o elemento "suspense e horror daquilo que não se vê" alá Tubarão (o filme), já que o animal aparecia poucas vezes e eram apenas sua sombra, a barbatana ou como se a câmera fosse o próprio animal, mas o bicho bota a cara em cena sim! E a gente quase enfarta sim!

Não que houvesse muitos personagens em cena, mas a coragem que Nancy teve pra enfrentar seu medo e lutar pela própria vida nas condições em que ela estava foi surpreendente. A personagem me cativou e me fez torcer por ela á todo momento do filme.

Existe um vilão mais inconveniente, encrenqueiro e marrento que esse tubarão? Pensei que ele apareceria, daria seu show e iria embora, mas ele permaneceu lá, aterrorizando a vida de todo mundo o filme inteiro!

Em resumo, Águas Rasas é um filme que te surpreende, de uma fotografia belíssima e ótima atuação de Blake Lively que praticamente sustentou o filme inteiro sozinha (com o apoio emocional da gaivota, né?). Recomendo muito que vocês assistam e voltem para comentar com a gente!


Tecnologia do Blogger.