Crítica: Batman v Superman – Dawn of Justice


Muito se criticou sobre o segundo filme dessa nova era DC nos cinemas. Um pouco dessa carga negativa veio do seu antecessor Man of Steel, que eu até achei um filme divertido, apesar de as cenas de computação gráfica, em que o Superman luta com o Zod, serem horríveis. O cabelo do Superman parecia daqueles bonecos Ken da Barbie. O segundo ponto negativo que o filme teve antes mesmo de começar foi o já conhecido “monstro da expectativa”, mas como evitar ter expectativas altas em um filme em que dois dos maiores nomes dos quadrinhos vão se enfrentar e ainda terá a participação da Mulher Maravilha? No meu caso, mesmo não sendo um grande fã do universo DC, acabei ficando empolgado com o filme, mas com o tempo e as críticas negativas fui perdendo a vontade de assistir.

Depois de bastante tempo eu assisti e pergunto a vocês: realmente foi tão ruim assim ou será que toda aquela expectativa juntamente com as primeiras críticas mais negativas afetaram sua experiência com o filme? Não é um filme excelente, mas ainda assim dá para se divertir assistindo. Tudo bem que a versão que eu assisti foi a completa, com três horas (e que saudades do Senhor dos Anéis).

A DC quis ser diferente da Marvel e fazer um estilo diferente de filme no universo que ela estava criando. Isso, por um lado, é bom, pois ela está tentando ser criativa e buscando novas maneiras de se contar uma história, mas a questão é que essa forma da Marvel não foi exatamente ela que criou, foi algo simples que ela pensou: “eu quero fazer um filme dos meus heróis todos juntos, mas antes disso eu preciso apresentá-los para o público quem são esses heróis e suas histórias”. A DC apostou no fato de seus heróis já fazerem parte da cultura popular há muito tempo, já que muita gente que não lê quadrinhos sabe quem é o Batman, SuperMan e Mulher Maravilha. E, talvez, essa aposta tenha sido um problema, pois talvez um filme de origem desses heróis fosse necessário, assim como teve o Man of Steel. Por mais que já sabemos quem são os personagens, nunca tínhamos visto essa versão com o Ben Affleck e a Gal Gadot.

O filme teve boas ideias, só que mal executadas. Eu sempre pensei no Lex Luthor como um vilão frio e calculista e não um moleque perturbado e mimado. Talvez o Jesse Einseberg não fosse a melhor escolha para o papel. Os trejeitos que ele aplicou ao personagem e o jeito com que ele fala não me agradaram, então ainda acho o Michael Rosenbaum o melhor Lex Luthor, apesar de Smallville não ser aquelas coisas.

Para um filme que era para ser Batman versus Superman acabou tendo muito tempo de Louis Lane. Acredito que o tempo que foi gasto com ela poderia ter sido usado para apresentar mais a Mulher Maravilha já que, ela sim, era um personagem importante para o equilíbrio daquilo tudo que estava acontecendo ali. E, por favor, a mudança de perspectiva que o Bruce tem em relação ao Superman só por saber o nome da mãe dele foi um tanto quanto desanimador. Por mais que até hoje o Bruce não tenha superado a perda dos pais, acho algo muito leve para conter toda aquela fúria que ele vinha demonstrando até aquele momento.

Batman vs Superman – Down of Justice foi um filme com mais erros do que acertos. Espero que sirva como exemplo do que eles não devem fazer daqui para frente. Gosto da estética visual que Zack Snyder aplica em seus trabalhos, mas acredito que está na hora dele rever sua maneira de contar história. A edição atrapalhou um pouco na narrativa e a escolha de um vilão que tem um propósito tão grande em um filme que serve para ser a Origem da Liga da Justiça foi desnecessária.

Apesar de tantos pontos negativos, é um filme que você pode se divertir, mas precisa esquecer os quadrinhos e ver apenas como um filme.

O destaque, em minha opinião, vai para a Mulher Maravilha. Achei que, pelo pouco tempo de tela que ela teve, a Gal Gadot conseguiu nos mostrar uma personagem interessante e despertar o interesse no seu filme solo que está por vir.

Eu estava em dúvida do que foi pior: se foram as aparições da Louis ou as do Lex Luthor. Só que essa versão do Lex foi tão ruim que não tem como ele não ganhar o título de pior personagem. Parece que o Jesse tentou pegar um pouco daquela loucura do Coringa do Heath Ledger e colocar no seu personagem. Primeiro que não cabia ali e, segundo, que ele falhou miseravelmente se a intenção foi essa.
Tecnologia do Blogger.