Crítica: Hawaii Five-0


De uns tempos para cá eu comecei a gostar mais de seriados do gênero policial, mas normalmente esses seriados tem sua fórmula padrão e é claro que Hawaii Five-0 não foge desse estilo, porém ele tem um algo a mais que faz toda a diferença, que são os diálogos. Sabe aquela coisa estilo Pulp Fiction, onde o Samuel L. Jackson e o John Travolta estão indo assassinar um cara e eles param no meio do caminho para discutir sobre foot massage? Então, Hawaii Five-0 tem muito desse espírito. As conversas do Steve (Alex O’Loughlin) com o Danny (Scott Caan) são aqueles momentos que você sabe que vai acontecer, fica ansioso para ver, mas nunca sabe o que pode sair dali.

A história começa com Steve McGarrett voltando ao Hawaii depois de ter seu pai assassinado. Determinado a pegar o assassino, ele recebe a proposta da governadora para criar uma força tarefa que teria fundos e imunidade para caçar o culpado pelo assassinato de John McGarrett e os demais criminosos que estavam na ilha. Para começar, Steve recruta o detetive Danny Willians, que estava como responsável pela investigação da morte de seu pai; Chin Ho Kelly, um policial que havia perdido o distintivo por causa de uma acusação da corregedoria; e Kono Kalakaua, prima de Chin, que estava quase se formando na academia policial. Assim começa a força tarefa Five-0.

Os momentos de tensão e ação que a série tem misturado com muito bom humor foi algo que me cativou em Hawaii Five-0. Brigas de gangues, psicopatas e assassinatos por encomenda para tomar o poder de grandes empresas vemos em muitos seriados por aí, mas dois parceiros indo para a cena do crime conversando sobre assuntos pessoais que no final sempre parece ser uma briga de casal, isso eu posso dizer que é uma das marcas registradas do seriado. Muitas vezes você quer saber quem é o culpado, mas está tão divertido ver o Danny implicando porque o Steve tem que dirigir seu carro sempre, ou então porque ele é tão imaturo, ou ainda o Steve falando sobre o pessimismo do Danny.

Chin e Kono são as partes mais emocionais da série. Enquanto você se diverte com Steve e Danny (apesar deles terem momentos bem fortes na série), com Chin e Kono você acompanha mais os problemas pessoais, como relacionamentos que não dão certo ou que são muito problemáticos. Não dá pra ir mais a fundo, pois seria spoiler da série, mas no caso do Chin, ele também sofre um certo preconceito por uma acusação de ter roubado dinheiro que foi aprendido em um caso que envolvia tráfico de drogas e, mesmo temporadas depois, ele sofre com a desconfiança de membros da corregedoria.

Se tem uma série que sinto falta é Lost. E poder ver vários atores do seriado fazendo participação em Hawaii Five-0 ou até mesmo tendo um papel de protagonista, como no caso do Daniel Dae Kim e do Jorge Garcia, bate um sentimento de nostalgia tão gostoso. Sem contar as referências que eles fazem, como, por exemplo, quando Chin apresenta Jerry pela primeira vez:

Chin: “Cara, como posso esquecer? Foi como se tivéssemos ficado dentro de uma ilha durante todo o verão”.
Jerry: “Bons tempos”.

Sou uma pessoa que adora ver referências de obras que já assisti em seriados ou filmes e momentos como esse me fazem vibrar. Outro momento foi quando o Dr. Max Bergman (Masi Oka) encontra o agente Jeff Morrison (Greg Grunberg), ambos atores que fizeram a série Heroes.

Max: Eu conheço você?
Jeff: Acho que não.
Max: Sim, acho que nos vimos antes.
Jeff: Não, acho que eu me lembraria de alguém como você.
Max: Bem, eu raramente me engano sobre encontros humanos prévios.
Você é... (Aí ele fica com os trejeitos do Hiro).
Jeff: Jeff Morrison. Foi minha agente que morreu.
Max: Sinto muito por sua PERDA. (Vale lembrar que Greg também participou de LOST sendo o piloto do avião que caiu na ilha)
Jeff: Obrigado.


Hawaii teve sua primeira versão em 1968 e foi até 1980. Os produtores tentaram muitas vezes dar continuidade à versão original, até que em 2010 decidiram refazer a série com uma nova roupagem, atualizando a história e modificando o que fosse necessário para se adaptar aos padrões de hoje em dia. Se você quer começar assistir um seriado que te faça dar boas risadas e que tenha uma história envolvente com muita ação, eu recomendo Hawaii Five-0. As cinco primeiras temporadas estão disponíveis na Netflix e, em breve, a sexta deve entrar no catálogo. A sétima começa a ser exibida agora em setembro e vamos acompanhar ela aqui no De volta para a Taverna.
Tecnologia do Blogger.