Crítica: Shokugeki no Souma – 2ª Temporada


Sem dúvidas, Shokugeki no Souma era um dos animes que eu mais esperava para ver nessa temporada e, com o decorrer dela, foi o que mais me empolgou. Muitos que o assistem só como um anime qualquer de culinária ou então veem apenas por ver alguns episódios, devem considerá-lo um anime bem raso. Então, se você é uma dessas pessoas, eu aconselho que reveja as duas temporadas, principalmente a segunda, prestando mais atenção nas atitudes e comportamentos de Yukihira Souma e, talvez, você aprenda mais do que a história e dicas de culinária.

Quero começar falando um pouco sobre todo o estudo que é feito sobre gastronomia para que possam fazer uma história com base na realidade e não apenas num personagem fritando um ovo com um super poder. Meu conhecimento sobre culinária é bem superficial, mas acredito que muito do que é falado em relação aos pratos apresentados é bem condizente com a realidade e, se você juntar isso com o humor e a fantasia, às vezes, um pouco exageradas, que aparecem no anime, é um dos elementos que o tornam tão bom. Gosto muito da maneira visual que eles representam um sentimento ou uma sensação que algum personagem está tendo. É bom sempre falar desses animes que se dedicam a mostrar algo como esportes e, nesse caso, culinária e muitos outros que tratam de assuntos mais realistas, que por trás de toda aquela fantasia, existe muito estudo sobre o tema e não é apenas uma simples história.

Agora, falando somente da segunda temporada, uma coisa que eu não gostei é que ela foi muito curta. Poxa, apenas 13 episódios. O lado bom disso é que a história ganhou um bom ritmo e estava sempre seguindo em frente. Outro ponto alto dessa temporada é que cada personagem seguiu em frente com suas próprias forças, como, por exemplo, a Tadokoro, que na primeira temporada foi sempre salva pelo Souma e dessa vez podemos ver uma evolução grande nela, apesar de continuar tímida e apavorada com tudo que são partes da sua personalidade, coisa que eu me divirto muito ao ver. Ela mostrou que não é mais aquela aluna frágil.

Desde o começo, quando vi que teria a possibilidade do Souma trabalhar ou estudar com o Shinomiya, eu fiquei ansioso para ver. Os dois têm uma química interessante que, apesar do Shinomiya ser um Chef conceituado e o Souma apenas um estudante, um sempre acaba ajudando o outro a crescer, mesmo que, às vezes, não seja a intenção. E depois de tudo que aconteceu entre eles na primeira temporada, vemos que Souma ganhou o respeito de Shinomiya, que apesar do seu jeitinho um pouco grosso tem muita confiança no talento do Souma.

A abertura não foi tão marcante dessa vez, mas, em compensação, o encerramento foi um dos melhores até agora. Não é só a música que é sensacional, mas o encerramento como um todo. Aquilo do Souma correr sozinho e sempre chegar a um campo florido onde em cada episódio está um outro personagem caído, passa a ideia de que o Souma está absorvendo algo daquela pessoa para ficar mais forte e se libertar (seguir em frente). 

Sem dúvidas, o Yukihira Souma foi o melhor personagem dessa temporada. A personalidade dele já ajuda muito e o crescimento dele não só como cozinheiro, mas também como pessoa, foi o ponto alto para mim nessa temporada. O fato dele mostrar que quando você falha em algo, você não deve ter tempo de ficar sentindo pena de si próprio, você tem que levantar a cabeça, seguir em frente e absorver tudo que tiver à sua volta que ajude no seu crescimento. Acho que essa é uma boa mensagem que o anime passa através do seu personagem principal.

O que mais me incomodou mesmo foi a curta duração da temporada. Até os personagens que em teoria foram os maus, tiveram um papel interessante. Então não consigo ver eles como algo ruim a se destacar na temporada. Espero que a terceira não demore muito, já que a segunda deixou um gostinho de quero muito mais!
Tecnologia do Blogger.