Hawaii Five-0: Ke Ku 'Ana


Depois de ter encerrado a caçada ao serial killer no episódio passado (pelo menos por enquanto), voltamos a ter um episódio padrão de Hawaii Five-0. Apesar do humor sempre ser presente na série, dessa vez discutiram um tema que divide opiniões: o porte de armas. 

Para variar, Steve e Danny discordam sobre o assunto. Steve tem o lado fuzileiro que defende o direito de todos de se proteger. Já Danny, por outro lado, sempre mostra que, por mais que ele seja um policial e tenha que usar uma arma, se ele pudesse escolher, preferiria viver num mundo onde não fosse necessário usar. Como ele mesmo cita no episódio, se os bandidos não tivessem acesso às armas, ele não precisaria usá-las também para combatê-los, e isso, na visão do Steve, é um sonho utópico, e realmente é, mas quem não concorda que o mundo do Danny não seria um lugar melhor para se viver? Achei interessante eles abordarem esse tema no episódio de uma série de TV.

Por falar em Danny, eu gosto muito da carga dramática que ele traz para o episódio quando o assunto é relacionamento entre pais e filhos, como no momento em que ele teve que agir como negociador com o homem que tinha uma opinião totalmente contrária à legalização do porte de armas. Não foi uma conversa entre policial e bandido e sim, entre dois pais. E, no final das contas, ele conseguiu salvar o dia sem precisar usar uma arma, o que foi bem a ideia que o episódio quis passar.

Também tivemos o retorno de Adam depois de cumprir parte da sua pena. Pelas primeiras impressões, ele não parece ter mudado nada, mas mesmo assim fica aquela sensação de que o presídio pode ter mudado algo em sua personalidade, ainda mais se você é um ex-chefe da Yakuza. Gostei de vê-lo tentando reaproximar uma filha de um pai presidiário. Foi uma história curta e tocante. Agora, como vai ser a relação dele com a Kono, só os próximos episódios pra gente ter uma noção, mas dificilmente vai ficar tudo às mil maravilhas.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.