Agents of S.H.I.E.L.D.: Identity and Change


Eu sei que sempre insisto para que as temporadas de séries tenham menos de vinte episódios porque sempre fica muita enrolação, mas essa temporada de Agents of SHIELD está sendo uma exceção. Esse tempo dentro do Framework está conseguindo aprofundar muito os personagens, em especial o Fitz e a Simmons. Esses dois vem sendo os donos desse arco por enquanto.

Simmons, a cada episódio que passa, vem ganhando mais autoridade, muitas vezes tomando decisões em missões. E isso, para quem era somente a nerdzinha engraçada da primeira temporada, é uma enorme evolução como personagem.

Agora Iain De Caestecker, ou somente Iain para os mais íntimos e para aqueles que, como eu, não conseguem pronunciar o nome dele completo, vem dando um show de interpretação. Eu já tinha ficado maravilhado no último episódio do arco LMD com aquele momento em que ele era um androide e se passava pelo original deixando todo mundo na dúvida até o último segundo. Agora no arco de continuação, Agents of Hydra, ele volta como um vilão e conseguindo fazer com que o público o odeie mais do que odiaram o Ward. Foi uma total inversão de papel entre os dois.

Eu queria destacar a cena onde ele fica com uma arma apontada para a Agnes, enquanto o Dr. Radcliffe fica tentando convencê-lo a não atirar nela e Aida, agora como Madame Hydra, tenta convencê-lo ao contrário. Em momento algum dá para ter certeza do que ele realmente está pensando, até o momento em que ele atira a sangue frio na Agnes.

Eu fiz uma breve pesquisa por esse nome que a Aida escolheu e descobri que Madame Hidra (ou Víbora) é uma personagem que nos quadrinhos já foi casada com o Wolverine. Essa personagem já teve participações em filmes como “Nick Fury: Agente da Shield” de 1998 e “Wolverine Imortal” de 2013, mas em ambos sua origem parece diferente dessa que vemos na série. Talvez tenha sido só uma homenagem mesmo.

Ainda que não seja a grande vilã dessa história, quem realmente está botando medo sempre que aparece é a May. Você sabe que se ela pegar alguém ali, a pessoa pode até fugir, mas vai sofrer para conseguir isso. Interessante que no LMD foi mostrado um pouco mais da May brincalhona e bem humorada que vivia fazendo graças com a cara do Coulson, para agora, nessa realidade alternativa, nos entregarem novamente uma personagem que está a todo momento com a cara fechada pronta para seguir as ordens da HYDRA.

O Mack, de todos os personagens, é o que eu tenho menos simpatia. Até acho ele e as referências que ele vive fazendo sobre filmes legais, o complicado é quando ele começa a ser cabeça dura e achar que só o jeito dele está certo. Mas, fora isso, é um bom personagem. Devo admitir que me emocionei muito em vê-lo com a Hope, a filha que na realidade morreu precocemente. Em vários momentos que eu via a interação dos dois, eu pensava que ele iria preferir viver naquele mundo com sua filha do que voltar para a realidade.

Mas comentem o que estão achando da série até aqui, vamos conversar sobre ela nos comentários, criar teorias e tudo mais.



Tecnologia do Blogger.